O isolamento social decorrente da pandemia do novo coronavírus transformou a rotina da população mundial. O ato de sair de casa, antes comum, hoje possui restrições para evitar a disseminação acelerada da doença. Com muitos serviços suspensos, a saúde pode acabar em segundo plano para alguns, principalmente para as pessoas que realizam tratamentos específicos, como os fisioterápicos.

Com cerca de 1.000 atendimentos realizados mensalmente em pacientes oriundos das Unidades Básicas de Saúde de Sobral e região e também a usuários vindos de planos privados, a Clínica de Fisioterapia do UNINTA tem importante papel social. Por isso, para não interromper os necessários acompanhamentos durante o período de isolamento social, passou a empregar o Telehealth, que fornece informações de saúde através de dispositivos móveis.

As ligações são uma forma de manter contato com as quase 200 pessoas que realizavam tratamento na clínica até o início da pandemia. Através da iniciativa, a diretora da Clínica, Profa. Me. Patrícia Holanda de Azevedo e a Profa. Esp. Daniele Moreira Alves, ambas fisioterapeutas, realizam uma escuta qualificada com os pacientes.

“As queixas são diversas, muitas relacionadas com o psicológico e dores psicossomáticas, uma das consequências do isolamento. Outras são relacionadas a sobrecarga de afazeres domésticos”, explica Patrícia Holanda.

Entre as recomendações das profissionais estão os alongamentos mais básicos e caminhadas rápidas para afastar o sedentarismo, melhorar a disposição do corpo e da mente, sempre tomando os devidos cuidados, uma vez que para a realização de movimentos mais elaborados é necessário o acompanhamento de perto de um profissional. Também é reforçado a importância do uso de máscaras, além do cuidado redobrado com a higiene pessoal.

João Batista Belmiro, de 66 anos, é paciente da clínica e demonstrou seu agradecimento à equipe pelo serviço prestado em seu tratamento. “Graças à fisioterapia estou bem melhor, sem dor. Estou fazendo alongamento e exercícios em casa, onde fui adquirindo conhecimento nas sessões e coloquei em prática. Essas ligações são de grande importância para nos deixar mais próximos nesse momento tão delicado”, contou.

De acordo com a Profa. Patrícia Holanda, o contato continuará sendo feito com intervalo de alguns dias e todas as informações relevantes são registradas para consultas posteriores. Ela adianta que a iniciativa já teve seus primeiros resultados. “Todos têm se mostrado muito gratos pela ligação, só em termos essa atenção em ligar, conversar e, principalmente, ouvi-los”, afirma.

Reforçando a importância da atuação da clínica, a paciente Rochelly Fernandes, de 37 anos, também expressou sua gratidão aos profissionais envolvidos. “A fisioterapia, desde o início da minha cirurgia, vem sendo de extrema importância para minha saúde e na parte de reabilitação, pois cheguei na clínica sem movimento na minha mão e hoje já consigo realizar quase todos os movimentos, inclusive os mais finos, onde o próprio médico me relatou que eram os mais demorados e já estou conseguindo. Agradeço esse contato que vocês estão tendo, pois nos deixa mais seguros e nos dá uma direção para realizar exercícios em casa.”

Os atendimentos da clínica retornarão de acordo com as recomendações das autoridades, seguindo os decretos do governo estadual e também do município.

A CLÍNICA

A Clínica de Fisioterapia do Centro Universitário Inta (UNINTA) conta com fisioterapeutas e também estudantes que, a partir do 7° semestre da graduação, nos estágios, contribuem para a realização dos atendimentos aos pacientes, sempre com acompanhamento de preceptores. Os acadêmicos desenvolvem ações relacionadas às práticas de traumato-ortopedia, de neurologia, pediátrica, cardiovascular, pneumofuncional, e a pacientes da área desportiva e com distúrbios hematológicos.

Publicações recentes